Notícias

Ambiente

Mudança climática atingirá plâncton prejudicando gravemente a pesca e a cadeia alimentar marinha

Publicado a 22/10/2019

Os impactos das mudanças climáticas podem se estender até o plâncton – organismos marinhos invisíveis a olho nu humano – que produz metade do oxigênio disponível na atmosfera e forma a base da cadeia alimentar dos oceanos. Por sua vez, isso pode ter um efeito cascata em outros peixes e baleias que se alimentam deles, dizem os cientistas.

Mas o declínio do plâncton provavelmente ocorrerá nas regiões polares, que são vulneráveis ​​ao aquecimento da temperatura do oceano, de acordo com dois estudos publicados na Cell.

O plâncton – plantas e animais que flutuam à mercê das marés e correntes do mar – desempenha um papel importante no ecossistema do oceano. Além de ser a fonte de alimento para organismos maiores, como peixes e baleias, eles geram oxigênio e capturam carbono da atmosfera e o transferem para o oceano profundo. “Eles também são sensíveis às mudanças climáticas, para que pudéssemos considerá-los como canários na mina de carvão para sinalizar mudanças no oceano”, disse ao MEA WorldWide (MEAWW) Chris Bowler, diretor de pesquisa do CNRS em Paris e um dos autores do estudo. )

Mudanças climáticas em áreas protegidas ameaçam a biodiversidade

Universidade de Bayreuth

Publicado a 22/10/2019

Pesquisadores da Universidade de Bayreuth calcularam pela primeira vez como a mudança climática provavelmente afetará as áreas de conservação da Terra até 2070. Na Nature Communications, eles apresentam seu estudo com o qual procuram dar um novo impulso à política ambiental e ao gerenciamento de áreas protegidas.

Atualmente, 245.844 áreas protegidas estão registradas em todo o mundo. Para 137.432 reservas naturais terrestres, os pesquisadores de Bayreuth desenvolveram previsões climáticas detalhadas com base em dados confiáveis ​​de medição. As áreas protegidas nas quais se esperam mudanças climáticas particularmente significativas estão localizadas nas zonas temperadas da Terra ou nas zonas polares do hemisfério norte. São áreas relativamente pequenas, um pouco acima do nível do mar e oferecem condições ambientais pouco variadas na sua superfície. São áreas ameaçados pela intervenção humana e têm, em relação à sua flora e fauna, muito em comum com outras áreas protegidas. Para alcançar previsões que fossem tão precisas quanto possível, os autores do novo estudo trabalharam com dez modelos climáticos diferentes. Ao mesmo tempo, foi feita uma distinção em todos os cálculos entre mudanças climáticas locais, regionais e globais

O aeroporto de Glasgow aposta em autocarros elétricos

Publicado a 22/10/2019

Glasgow implantou sua nova frota de três autocarros elétricos movidos a bateria para suas operações de estacionamento. Construídos na Escócia pela Alexander Dennis Limited (ADL) e BYD, é uma estréia dos novos modelos Enviro200EV.

Os novos ônibus elétricos no aeroporto de Glasgow, incluindo a infraestrutura de cobrança, foram possíveis com uma doação de £ 450.000 do Transport Scotland Green Bus Fund. Os novos veículos elétricos substituirão a atual frota a diesel e os passageiros nos ônibus espaciais entre o terminal e o estacionamento do aeroporto.

Serralves promove conferência para discutir relatório da ONU sobre biodiversidade

Publicado a 29/08/2019

A Fundação de Serralves, no Porto, vai organizar em setembro uma conferência internacional sobre biodiversidade para “discutir” o relatório da ONU que alerta para o declínio da natureza caso os comportamentos da sociedade não se alterem.

Relembrando um acordo fundamental para o futuro da humanidade

Publicado a 21/07/2019

Acordo de Paris é um tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (CQNUMC), que rege medidas de redução de emissão de gases estufa a partir de 2020, a fim de conter o aquecimento global abaixo de 2 ºC, preferencialmente em 1,5 ºC, e reforçar a capacidade dos países de responder ao desafio, num contexto de desenvolvimento sustentável.
O acordo foi negociado em Paris durante a COP21, em que participaram 195 países, e aprovado em 12 de dezembro de 2015.

Objectivos:

1: Assegurar que o aumento da temperatura média global fique abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais e prosseguir os esforços para limitar o aumento da temperatura a até 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, reconhecendo que isto vai reduzir significativamente os riscos e impactos das alterações climáticas;
2: Aumentar a capacidade de adaptação aos impactos adversos das alterações climáticas e promover a resiliência do clima e o baixo desenvolvimento de emissões de gases do efeito estufa, de maneira que não ameace a produção de alimentos;
3: Criar fluxo financeiros consistentes na direção de promover baixas emissões de gases de efeito estufa e o desenvolvimento resistente ao clima.

Primeira grande central solar da Europa sem tarifas garantidas já produz em Ourique

Publicado a 16/07/2019

A primeira grande central solar da Europa a produzir energia sem tarifas garantidas ou outros subsídios já está a funcionar no concelho de Ourique, após um investimento de 35 milhões de euros.

8 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos

Textos de Leonor Sales*

Sabia que, segundo as Nações Unidas, mais de 8 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos todos os anos, ou seja, o equivalente a despejar um camião de plástico por minuto no mar? A poluição provocada pelo plástico é um dos grandes problemas ambientais de hoje em dia, afecta a saúde humana, contamina os solos e os oceanos e é responsável pela morte de 100 mil animais marinhos por ano. As estatísticas são assustadoras, mas pequenas mudanças nos hábitos do dia-a-dia podem ajudar a atenuar o problema:

1.        Diga nao às palhinhas descartáveis

2.        Quando vai às compras, leve sacos de tecido reutilizáveis.

3.        Tente comprar por atacado e colocar produtos secos, frascos de vidro, para evitar a compra de produtos embrulhados em plástico.

4.        Recicle os brinquedos de plástico que as crianças já não usam. Procure entregar em associações na sua zona, doando a crianças desfavorecidas. E opte por lojas de segunda mão ao procurar presentes.

5.        Leve o seu café num termo ou copo reutilizáveis.

6.        Diga não aos talheres de plástico

7.        Se puder, compre equipamentos em segunda-mão e pense antes de comprar produtos de plástico.

* Leonor Sales, economista, foi consultora para a área das alterações climáticas  do Banco Africano de Desenvolvimento,  com sede em Abidjan, Costa de Marfim.

VALORIZAÇÃO DOS PROJECTOS

Seja qual for a ârea, os projectos são hoje avaliados pelas organizações financiadoras na dupla perspectiva dos efeitos que produzem 

 
EFEITOS DE MITIGAÇÃO – O projecto deverá contribuir para reduzir os efeitos “estufa”.
 
EFEITOS DE ADAPTAÇÃO – o projecto deverá contribuir para que os habitantes da região ou do país resistam e se adaptem melhor às alterações climáticas
 
Estes são os dois factores determinantes na avaliação da “bondade” dos projectos

Opte por um usado verificado

Obtenha a mesma qualidade e desempenho poupando no ambiente e na carteira.

Poupança de
energia

5 passos fundamentais para poupar

Reaproveite,
repare!

Dê outra utilização a produtos e equipamentos.

Educar para um mundo sustentável

Os mais novos são os herdeiros do planeta, uma educação para a sustentabilidade é fundamental